Centro de Competências da Lã

Centro de Competências da Lã - Uma oportunidade para o Território

A ovinicultura continua a assumir um papel importante na economia das zonas rurais de baixa densidade. Associada ao aproveitamento destes pequenos ruminantes está a lã, um recurso que tem registado, na última década, um ligeiro renascimento, com o investimento de algumas empresas na criação e renovação de unidades para a produção de fios nacionais. A indústria aposta também cada vez mais em linhas de produtos marcadamente ecológicos, no intuito de responder a um consumidor mais informado e exigente. Com esta crescente preocupação ambiental, a utilização da lã representa uma fonte alternativa de grande potencial económico sobretudo para o interior do país.

 

Considerando o facto de a Fileira da lã precisar neste momento de ser valorizada, considera-se de máxima importância a produção de conhecimento, não só do potencial mercado nacional, como internacional, mas sobretudo de práticas de produção e transformação inovadoras.

Muitos dos produtos que se pretendem produzir a partir da lã, têm um mercado potencial a nível internacional, por exemplo nos mercados de produtos ecológicos de saúde e bem-estar, existindo no entanto, por parte dos produtores, algumas dificuldades quanto a estes mercados potenciais e à forma de poder chegar até eles. 

 

É neste sentido que surge o Centro de Competências da Lã (CClã) para promover o desenvolvimento da fileira da lã portuguesa pela via do reforço da investigação, da promoção da inovação e da transferência e divulgação do conhecimento, resultante da parceria de várias entidades.

O CClã tem como objetivos: ser um espaço de união e partilha das competências existentes entre as várias entidades parceiras, no intuito de dar respostas mais imediatas, completas e eficazes aos diversos desafios que se colocam ao aproveitamento da lã; contribuir ativamente para a definição de uma agenda de investigação; contribuir para a rentabilização das explorações de ovinos com aptidão de carne e lã, tendo em vista a diversificação da agricultura, como fator de sustentabilidade do interior; promover o desenvolvimento de soluções alternativas ao nível da produção e transformação, nomeadamente sistemas de qualidade certificados, com o intuito de assegurar o posicionamento no mercado e a respetiva competitividade.

Do CClã fazem parte as seguintes entidades: Ministério da Agricultura e do Mar, Associação de Agricultores do Campo Branco, Associação de Criadores de Ovinos do Sul, Associação de Defesa do Património de Mértola, Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Raça Merina, 

Associação de Produtores de Ovinos do Sul da Beira, Câmara Municipal de Beja, Câmara Municipal de Castelo Branco, Câmara Municipal de Castro Verde, Câmara Municipal do Fundão, Câmara Municipal de Serpa, Centro de Biotecnologia Agrícola e Agroalimentar do Alentejo, Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos Funcionais e Inteligentes, Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal, Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, Cooperativa Oficina da Tecelagem de Mértola, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro, Ecolã, Instituto de Arte, Design e Empresa – Universitário, Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, Instituto Politécnico de Beja, Instituto Politécnico de Castelo Branco, Quinta do Freixo, Rosários 4, Turismo do Alentejo, Universidade da Beira Interior e a Universidade de Évora.